Shows

Cauã Canilha interpreta compositores brasileiros e uruguaios em recitais em SP e no Rio

(Cauã Canilha/Crédito: Vinícius Diefenbach)

Da redação com informações da assessoria de imprensa do evento

O violonista gaúcho Cauã Canilha fará recitais e palestras em São Paulo e no Rio de Janeiro nesta semana com o tema "Violão: proposta de análise mecânica básica". O repertório dos concertos é formado por compositores brasileiros e uruguaios. O roteiro começa nesta terça-feira (03/07), com a palestra às 19 horas na Sala 8 CMU / USP, na capital paulista, seguida do concerto às 20h30 no auditório do CMU / USP. No Rio, Cauã fará duas apresentações, na quarta (04/07), na Sala de Sessões do Centro Cultural Justiça Federal (CCJF), às 18h, e na quinta (05/07) na Sala Villa-Lobos (UNIRIO).

Cauã abre o concerto com a obra Evocación, do uruguaio Abel Carlevaro, considerado o mais influente didata do violão na segunda metade do século 20 e, enquanto intérprete, teve estreia relação com dois compositores brasileiros que também estão no programa: Camargo Guarnieri, que dedicou a Carlevaro seu Ponteio para violão, e Villa-Lobos, de quem Carlevaro estreou alguns dos 5 Prelúdios.

(Abel Carlevaro)

O programa continua com as sete Evocaciones Criollas, imponente ciclo escrito por Alfonso Broqua na década de 1920. Segundo Cauã, estas obras ainda são pouco executadas, apesar de sua qualidade musical. De forte influência nacionalista, com gêneros tradicionais platinos, tais peças são permeadas pelas vanguardas modernistas. Para finalizar a seção de obras uruguaias, serão tocadas El Poncho (Eduardo Fabini), provavelmente o nome de maior projeção do movimento nacionalista uruguaio. Original para voz e piano, a obra é executada em arranjo de Atilio Rapat.

Do Brasil, Cauã Canilha vai interpretar a Mazurca-Choro, da Suíte Popular Brasileira (Villa-Lobos), a Valsa-choro (Camargo Guarnieri) e três peças do ciclo 12 Valsas brasileiras em forma de Estudos (Francisco Mignone), raramente executadas e formada por valsas em todas as tonalidades menores, nas quais o compositor explora seu lirismo de caráter popular.

(Camargo Guarnieri)

Palestra

A partir da sistematização de tópicos referentes à mecânica violonística e de notações desenvolvidas para estes, a palestra de Cauã Canilha apresenta uma proposta de metodologia de estudos iniciais, objetivando maior eficiência no processo de aprendizagem e buscando maior consciência e efetividade das demandas instrumentais. As movimentações de cada mão são divididas entre horizontais (no sentido das cordas) e verticais (entre as cordas) e entre os aspectos mecânicos relacionados à localização das mãos no instrumento (chamados aqui de parâmetros e suas expansões) e os relacionados às referências ou movimentações auxiliares na mudança entre duas localizações (chamados de recursos).

Biografia

Natural de Santa Maria (RS), Cauã Canilha atualmente reside em Teresina, onde é professor substituto de violão no Curso de Música da Universidade Federal do Piauí (UFPI), e lançará em breve um livro abordando uma proposta didática da mecânica instrumental e uma edição comentada e analisada dos 25 Estudos Op.60, de Matteo Carcassi.

Bacharel em Violão pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e Mestre em Música (Processos de Criação Musical: Performance) pela Universidade de São Paulo (USP), Cauã vem direcionando seu foco para obras menos visitadas do repertório do violão de concerto.

Enquanto solista, foi premiado com o 3o  lugar no IX Concurso de Violão da Fito e obteve menção honrosa no XVIII Concurso Nacional de Violão Musicalis, ambos em 2014. Também atuou com duo de violão e piano com Pedro Lima, duo de violões com Helder Veiga, o Duo Maitá-Canilha, com Valentina Maitá, e as participações na Orquestra de Violões do IV Festival Leo Brouwer e no Quarteto de Violões do IV Festival Leo Brouwer, conjunto que realizou a estreia nacional da obra Lachrymae, de Stephen Goss.

O músico já participou de importantes eventos, como o Festival Santa Fe de la Guitarra (2010), o Festival de Música de Santa Catarina (2010 e 2011), o Festival de Inverno da UFSM (2010-2012) e o Festival Internacional de Violão Leo Brouwer (2012 e 2014). Nesses e outros eventos, Cauã se aperfeiçoou com Jonathan Leathwood, Eduardo Fernandez, Álvaro Pierri, Eduardo Isaac, Franz Halàsz.

A pesquisa de mestrado de Cauã aborda a didática da mecânica instrumental aplicada nos 25 Estudos Op.60, de Matteo Carcassi. Este trabalho vem recebendo projeção, tanto no meio acadêmico quanto fora, através da utilização enquanto material didático e por meio de palestras do autor.

(Matteo Carcassi)

Repertório do recital

Abel Carlevaro (1916-2002): Evocación (1970)

Alfonso Broqua (1876-1946)                

Evocaciones Criollas (1929): Ecos del paisaje / Vidala / Chacarera / Zamba romantica / Milongueos

     Pampeana / Ritmos camperos

Eduardo Fabini (1882-1950): El Poncho (arr. Atilio Rapat, 1993)

Heitor Villa-Lobos (1887-1959):  Mazurka-Choro

Camargo Guarnieri (1907-1993): Valsa-Choro (1954)

Francisco Mignone (1897-1986): 3 Valsas Brasileiras em forma de estudos

 

Serviço 

Palestra e recital de Cauã Canilha

São Paulo

Data: terça-feira (03/07)

Hora: 18h

Endereço: Sala 8 CMU / USP (AV. Prof. Lúcio Martins Rodrigues, 443, Butantã)

Rio de Janeiro

Data: quarta-feira (04/07)

Hora: 18h - O Violão no Brasil e no Uruguai

Endereço: Sala de Sessões do CCJF (Av. Rio Branco, 241 - Centro)

Entrada: R$10 e R$5

Data: quinta-feira (05/07)

Hora: 19h30 - Série Villa-Lobos Aplaude

Sala Villa-Lobos (Instituto Villa-Lobos, UNIRIO, Av. Pasteur, 436 (fundos) - URCA

Entrada: Gratuita

(Cauã Canilha / Crédito: Samla Borges)

 

 

VOLTAR
NIG

Tags